A internet é uma boa forma de passar o tempo mas não é a única forma de passar a vida

28.12.06

Amigo!...





  Quando nasci já cá andavas. Pelos anos adiante fizeste parte do meu mundo. Brincámos de lutadores de luta livre na cama que fazia de ringue, Suados, deitávamos como se estivéssemos há muito a dormir quando ouvíamos uma chave a girar na porta de entrada.

  Fazíamos as nossas corridas de trotineta, de carros de rolamentos, jogávamos com a mesma bola. Quando foi necessária a tua presença tu estavas lá. Crescemos lado a lado e até pensavam que éramos gémeos.

  Andámos nos mesmos bailes, conhecemos as mesmas miúdas, passeávamos pelos mesmos locais. Histórias das nossas vidas e da tua contas agora com detalhes por mim desconhecidos.

  Fazia confusão a muita gente quando conversávamos, como se isso não fosse natural.

  Foste um guerreiro na mata, ali passaste algum tempo da tua vida. Segui pouco depois as tuas pisadas e mais uma vez os nossos trajectos foram iguais.

  Estávamos lá quando as balas assobiavam, as pessoas corriam, as pessoas tombavam.

  Estavas cá nos nascimentos, na perda de pessoas queridas, nos bons e maus momentos sempre juntos como se a nossa vida fosse uma vida paralela.

  E tem sido sempre assim… Ontem, hoje e sempre! …

  É bom saber que te tenho como um grande Amigo… meu Irmão!





Parabéns Mano  LeaoVerde


18.12.06

Há Mais Uma Estrela no Céu





Poema de Natal


                                  Para isso fomos feitos:
                                  Para lembrar e ser lembrados
                                  Para chorar e fazer chorar
                                  Para enterrar os nossos mortos —
                                  Por isso temos braços longos para os adeuses
                                  Mãos para colher o que foi dado
                                  Dedos para cavar a terra.
                                  Assim será nossa vida:
                                  Uma tarde sempre a esquecer
                                  Uma estrela a se apagar na treva
                                  Um caminho entre dois túmulos —
                                  Por isso precisamos velar
                                  Falar baixo, pisar leve, ver
                                  A noite dormir em silêncio.
                                  Não há muito o que dizer:
                                  Uma canção sobre um berço
                                  Um verso, talvez de amor
                                  Uma prece por quem se vai —
                                  Mas que essa hora não esqueça
                                  E por ela os nossos corações
                                  Se deixem, graves e simples.
                                  Pois para isso fomos feitos:
                                  Para a esperança no milagre
                                  Para a participação da poesia
                                  Para ver a face da morte —
                                  De repente nunca mais esperaremos...
                                  Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
                                  Nascemos, imensamente.

Vinicius de Moraes


Boas Festas e Feliz Ano Novo