A internet é uma boa forma de passar o tempo mas não é a única forma de passar a vida

12.12.18

Francis Goya

Seu primeiro single solo, Nostalgia, tornou-se um sucesso internacional, alcançando o primeiro lugar na Bélgica, Holanda, Alemanha, Noruega e Brasil.

Aqui um excelente vídeo, parabéns a quem o idealizou e fez a montagem.

Na calma da nossa tarde (já esteve de sol, agora vai dando tons ao outono), os sonhos tornam-se libélulas, dançando ao som de...

De ver e sonhar!

10.12.18

Les Feuilles Mortes

"Oh! Eu quero que você lembre-se como
Os dias eram felizes quando éramos amigos.
Naqueles dias, a vida era bela,
E o sol mais quente do que hoje.
As folhas mortas coletadas com a pá
Você vê, eu não me esqueci ...

Eu te amei tanto, você estava tão bonita.
Como você acha que eu vou esquecer?
Naqueles dias, a vida era mais bonita
E o sol mais quente do que hoje.
Você era minha doce amiga
Mas eu lamento que nada regressará
E a música que você cantou,
Sempre, sempre vou ouvir!"

fotos e montagem: Mário Lima

Morreu o Fernando...

... mas o Nando e o "Zé da Fisga" não!

(02/02/1940 - 08/12/2018)

Escrever sobre o “Zé da Fisga” é escrever sobre momentos memoráveis do nosso passado em Angola. O Nando, através da sua personagem, foi um dos que mais contribuíram para que os nossos soldados (e não só) tivessem momentos de humor e se esquecessem dos momentos mais bicudos da sua missão.

O “Zé da Fisga”, soldadinho de gema, “tirava” com a sua figura esguia as conquistas do seu “sargentão” bem mais roliço e menos atraente. Toda a gente era o “Zé da Fisga”, malandrão quanto baste, e as miúdas que se cuidassem. O Nando fez história.

O erotismo das belas sedutoras, abrangia todas as raças, lá nisso o nosso Zé não era esquisito, e o desenho bem delineado. O vídeo feito para a Tudor (a empresa chamava-se SADAT - Sociedade Angolana de Acumuladores Tudor) fez deste desenhador, o mais referenciado de todos aqueles que durante anos o conheceram, senão pessoalmente, através do seu “Zé da Fisga”. A toda a tropa que por lá passou não lhe passou despercebida este soldado e isto durante anos e anos.

P.S. - Fernando da Silva Gonçalves – autor do célebre "Zé da Fisga" –, nasceu no dia 2 de Fevereiro de 1940, na Póvoa de Varzim.

Em 1962 foi mobilizado pelo Batalhão de Caçadores 5 - Campolide para servir o Estado Português, em Angola.

Embarcou no dia 5 de Dezembro de 1962 rumo a Cabinda, integrado na Companhia de Caçadores Especiais 371 e, no início de Dezembro de 1964, regressou à Póvoa de Varzim. Volta a Angola e regressa de vez em 1975.

Cartoonista e violinista atuou muitas vezes no Casino da Póvoa de Varzim e deixou uma vasta obra de desenho na minha Póvoa entre eles, o mural de azulejos com cenas da vida poveira, à entrada da praia dos banhos.


(onde está no vídeo Póvoa DO Varzim, entende-se que a Póvoa nunca foi do Varzim, mas sim o Varzim da Póvoa. Por isso o correto é, Póvoa DE Varzim)

4.12.18

Gamos (Dama dama) em Odivelas

Portugal já teve ursos (os verdadeiros não os que os imitam), que o diga El Rei D. Dinis que ia sendo morto por um em Monte Real, não fosse ter pedido auxílio aos santos e veio em seu socorro, o único que devia estar disponível, tal as maldades do mundo que fazia os santos andarem em rodopio constante, que foi S. Luis, Bispo de Tolosa que lhe disse que podia servir-se do punhal que tinha à cinta, pois para alguma coisa ele estava lá.

Assim o fez D. Dinis e o urso lá se foi.

A porca de Murça, tudo indica que tanto pode ser uma porca, como um javali como uma ursa. Ninguém sabe ao certo mas já estive ao lado deste monumento, e nunca vi nenhuma porca ou javali daquele tamanho (sic). Certo é que também nunca vi um urso, mas a National Geographic também nos ensina e vou mais pela ursa que pela porca.

Gamos existem na Tapada de Mafra e em algumas herdades na Beira Interior, Alentejo e Ribatejo. Em Odivelas nunca os tinha visto... até ontem.

Na Quinta do Avô Henriques, ali estavam a pastar dois machos e uma fêmea que eu visse.

A primavera ainda vem longe por isso a fêmea, por ora, não tem que se preocupar com os dois machos "à perna". Se não houver mais por lá, lá têm os machos que andarem à cabeçada.

São lindos e depois de os ver a pastar o verde dos campos, lá segui na minha demanda por terras de "ide vê-las"...

A Lenda de Odivelas

Ia D. Dinis no calor da noite cantando «Ai flores, ai flores do verde pinho se sabedes novas do meu amigo, ai deus, e u é», quando lhe surge a caminho a Rainha Isabel e as suas aias com archotes acesos.

Que fazeis aqui senhora? – Pergunta o Rei admirado

"Vim vos alumiar o caminho meu Senhor. Ide vê-las?" – retorquiu a rainha.

E assim “nasceu” o Lumiar e Odivelas.

Pois é!... Ia D. Dinis a caminho para mais um retiro "espiritual" ali prós lados de Odivelas, e quantos filhos ilegítimos legitimou D. Dinis?... A módica quantia de 25 filhos!

fotos: macho e fêmea

30.11.18

Exposição do Mundo Português

Em 1940, na altura do salazarismo, que muitos têm muita saudade, pena tenho que não tenham também caído da p... da cadeira e morrido já como o "guru" deles morreu, houve em Portugal, a Exposição do Mundo Português ali para os lados de Belém.

Para além da exposição dos feitos "gloriosos" dos portugueses aquém e além mar, o ter dados novos mundos ao mundo, também havia exposição "canina" de mostrar os africanos como se de animais se tratassem.

Nada melhor do que mostrar o artesanato e as maminhas das africanas do nosso "ex. Ultramar", enviadas diretamente de África para Portugal, para gáudio de quem nunca viu as mamas às mulheres deles (que na época era o levanta a saia Maria), mas lambuzavam-se ao verem os mamilos das mulheres africanas a qual essa nudez, parte da sua tradição milenar.

...e para dar uma de colonialista que tal uma gincana de negros?! Não sei que p... de gincana era essa, mas tenho um certo asco em verificar que essa gincana tinha um panfleto e um preço.

Àqueles que ainda hoje (felizmente já são poucos que a morte leva-os a todos), dizem que no tempo do Salazar é que era bom, pena tenho de um dia num país africano não fazerem uma gincana de brancos e que eles e as mulheres deles, façam parte dessa gincana.